Situação de contingência devido ao risco de incêndio obriga a alterações no programa do JWOC — acesso à floresta proibido

Campo dos Mosqueiros, Carapito. ©Caruspinus

No dia 7 de Julho o Governo decretou situação de alerta, o nível mais baixo de resposta a situações de catástrofe prevista na Lei de Base da Proteção Civil, devido ao “significativo aumento do risco de incêndio rural”, entre os dias 8 e 15 de Julho.

No âmbito da declaração da situação de alerta foram implementadas várias medidas de caráter excecional, nomeadamente a proibição do acesso, circulação e permanência no interior dos espaços florestais, bem como nos caminhos florestais, caminhos rurais e outras vias que os atravessem.

Face à previsão do agravamento das condições meteorológicas associada ao elevado risco de incêndio, neste sábado foi declarada situação de contingência entre os dias 11 e 15 de Julho. Esta é a primeira vez que o Governo decidiu declarar a situação de contingência face aos incêndios. O estado de alerta especial estará em vigor em todo o país.

Medidas do Governo para a próxima semana

A situação de contingência que entra em vigor esta segunda-feira inclui as seguintes medidas:

  • Todos os planos de emergência e Proteção Civil em todos os níveis territoriais vão ser ativados automaticamente e preventivamente;
  • A Proteção Civil passa a conseguir mobilizar todos os meios de que o país dispõe para combater os incêndios;
  • Será determinado o estado de alerta especial de nível vermelho em todo o território continental;
  • Será feito um reforço na contratação de até mais 100 equipas de bombeiros assim que exista essa disponibilidade das associações humanitárias;
  • Será ativado o sistema de alerta da população por SMS devido aos incêndios;
  • Poderá ser feito um eventual pedido de ajuda à União Europeia.

Proibição de acesso à floresta altera programa do JWOC

Devido ao elevado risco de incêndio desenvolvido nos últimos dias em Portugal e que levou primeiro à declaração da situação de alerta e depois à declaração da situação de contingência, a organização do Campeonato do Mundo de Juniores de Orientação (JWOC) emitiu logo na sexta-feira um comunicado onde refere “não terem sido autorizados a realizar as provas planeadas para a floresta“, após contactos com a autarquia local, as autoridades policiais e os bombeiros. O comunicado refere ainda o adiamento das referidas provas para depois do dia 15 de Julho, ficando “todos os treinos e outras atividades na floresta estritamente proibidos“.

Na noite deste sábado a organização do JWOC emitiu um novo comunicado onde refere que “o Conselho da IOF decidiu por unanimidade adicionar a corrida de estafetas como prova oficial pontuável“, permitindo ainda a participação de “duas equipas por país” nesta prova.

A corrida de estafetas será organizada na quarta-feira, 13 de Julho, a partir do Campo de Futebol de Carapito, que é também o local da prova desta segunda-feira, 11 de Julho.

Para sexta-feira, 15 de Julho, estão previstas duas provas de estafetas, uma masculina e outra feminina, com três etapas cada, em área urbana.

Ainda de acordo com o comunicado, de momento “ainda não há uma definição relativa à realização das provas na floresta“, que “poderão ser eventualmente realizadas no sábado, dia 16, se a situação de contigência não for prorrogada“.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.