Recursos naturais do planeta para 2019 “acabam” hoje

A Humanidade atinge esta segunda-feira o limite do uso sustentável de recursos naturais disponíveis para este ano, três dias mais cedo do que em 2018. Esta é a data mais recuada desde que o planeta entrou em défice ecológico em 1970. A partir de amanhã passaremos a usar os recursos para 2031.

A associação ambientalista Zero alertou que a Humanidade atingiu esta segunda-feira o limite do uso sustentável de recursos naturais disponíveis para este ano, três dias mais cedo do que em 2018.

A Zero refere ainda que Portugal “é um contribuinte ativo para esta situação”, uma vez que, “se todos os países tivessem a mesma pegada ecológica que o nosso país, seriam necessários 2,5 planetas”. Este ano Portugal gastou os seus recursos naturais disponíveis no dia 26 de maio, 21 dias mais cedo do que no ano passado.

Actualmente, considerando a média mundial, estamos a consumir cerca de 1,75 planetas com a nossa voracidade de produção e consumo. A sobrecarga só é possível porque estamos a esgotar o capital natural da Terra, o que põe em causa o futuro da humanidade”, alerta a Zero.

Para inverter esta tendência, a associação propõe a adoção de “novas práticas”, nomeadamente na alimentação e na mobilidade. Na alimentação, a Zero defende a promoção de uma dieta alimentar “saudável e sustentável”, com a “redução do consumo de proteína de origem animal e um aumento significativo do consumo de hortícolas, frutas e leguminosas secas”.

A associação defende, igualmente, a aposta na mobilidade sustentável, melhorando o acesso e as condições de operação dos transportes públicos e estimulando as formas de mobilidade suave.

Dia da Dívida Ecológica

Desde 1970 que estamos em dívida para com o planeta em termos ecológicos. Este ano ultrapassámos os 4500 dias de dívida, o que significa que estamos 12 anos adiantados ou que vamos gastar este ano parte dos recursos que só deveríamos gastar em 2031.

Este valor é calculado anualmente pela Global Footprint Network.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se à discussão?
Sinta-se à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *