Portugal esgota hoje todos os recursos naturais deste ano

Portugal gastou os recursos naturais deste ano 21 dias mais cedo do que no ano passado, diz a associação ZERO. Se os outros países consumissem recursos ao mesmo ritmo, precisaríamos de mais dois planetas.

Image by PIRO4D from Pixabay

Se cada pessoa no Planeta vivesse como uma pessoa média portuguesa, a humanidade exigiria mais de 2 planetaspara sustentar as suas necessidades de recursos. Tal implicaria que a área produtiva disponível para regenerar recursos e absorver resíduos a nível mundial esgotar-se-ia no dia 26 de maio (em 2018 foi a 16 de junho). A partir daí seria necessário começar a usar recursos naturais que só deveriam ser utilizados a partir de 1 de janeiro de 2020, diz a associação ambientalista ZERO.

Portugal é, há já muitos anos, deficitário na sua capacidade para fornecer os recursos naturais necessários às atividades desenvolvidas. “O mais preocupante é que “dívida ambiental” portuguesa tem vindo a aumentar. É urgente inverter esta tendência de acumulação de dívida. Tal é possível com a adoção de algumas novas práticas, em particular na área da alimentaçãoe mobilidade”, continua a associação.

Como reduzir a dívida ambiental Portuguesa (e de todos nós)

O consumo de alimentos (32% da pegada global do país) e a mobilidade (18%) encontram-se entre as atividades humanas diárias que mais contribuem para a Pegada Ecológica de Portugal e constituem os pontos críticos para intervenções de mitigação da pegada.

Neste contexto, a ZERO sugere:

  • Conheça a sua pegada ecológica; o projeto Pegada Ecológica dos Municípios – uma parceria entre a ZERO, a Global Footprint e a Universidade de Aveiro – em desenvolvimento em seis municípios portugueses disponibiliza uma calculadora em português que poderá ser usada para ter uma noção aproximada da pegada que cada um de nós está a deixar no ambiente: https://www.pegadamunicipios.pt/calculadora.
  • Reduza a presença de proteína animal na sua alimentação: os dados para Portugal indicam que cada português consome cerca de 3 vezes a proteína animal que é preconizado na roda dos alimentos, metade dos vegetais, um quarto das leguminosas e dois terços das frutas. Aproximar a nossa dieta à roda dos alimentos reduz, de forma significativa, o impacto ambiental associado à alimentação e é mais saudável.
  • Movimente-se de forma sustentável: use os transportes coletivos, ande de bicicleta, a pé, de trotinete (e incentive as crianças a fazer o mesmo) e, claro, reduza ou elimine mesmo as viagens de avião.
  • Consumir de forma mais circular: é fundamental mudar o paradigma de “usar e deitar fora”, muito assente na reciclagem, incineração e deposição em aterro, para um paradigma de “ter menos, mas de melhor qualidade”, com um forte enfoque na redução, reutilização, troca, compra em segunda mão e reparação.

O que é a pegada ecológica

Tal como um extrato bancário dá indicação das despesas e dos rendimentos, a Pegada Ecológica avalia as necessidades humanas de recursos renováveis e serviços essenciais e compara-as com a capacidade da Terra para fornecer tais recursos e serviços (biocapacidade). A Pegada Ecológica mede o uso de terra cultivada, florestas, pastagens e áreas de pesca para o fornecimento de recursos e absorção de resíduos (dióxido de carbono proveniente da queima de combustíveis fósseis). A biocapacidade mede a quantidade de área biologicamente produtiva disponível para regenerar esses recursos e serviços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.