Linha da Beira Alta fecha durante nove meses a partir de 19 de Abril

O encerramento integral, a partir de 19 de Abril e por um período de nove meses, “torna-se imprescindível face às características técnicas dos trabalhos a realizar em diversos locais ao longo do troço”. 97% da Linha da Beira conta apenas com uma via.

©Infraestruturas de Portugal

A Linha da Beira Alta vai ser encerrada à circulação ferroviária a partir do dia 19 de Abril e por um período estimado de nove meses, “no cumprimento do estabelecido do seu plano de modernização“, informou a Infraestruturas de Portugal (IP). O troço Pampilhosa-Guarda, com 160 quilómetros, conta atualmente com 30 a 45 anos de vida de utilização, tendo ficado de fora da última renovação de via na Beira Alta, na década de 1990.

O encerramento integral torna-se imprescindível face às características técnicas dos trabalhos a realizar em diversos locais ao longo do troço que, pela sua elevada complexidade, seria impraticável executar mantendo a circulação ferroviária mesmo que de forma condicionada. No início de 2023 os utilizadores passarão a dispor de um serviço de transporte ferroviário de maior qualidade, conforto, segurança e ambientalmente sustentável. Neste âmbito, a IP tem vindo a trabalhar em estreita colaboração com os operadores ferroviários, autarquias e diversas entidades locais interessadas“, acrescentou a IP.

Por forma a minimizar os impactos negativos decorrentes deste constrangimento, e durante todo o período de interrupção do serviço ferroviário, a CP vai disponibilizar transportes rodoviários alternativos.

Atualmente estão em execução no terreno trabalhos de requalificação integral e modernização em cerca de 190 quilómetros da Linha da Beira Alta, divididos pelas seguintes empreitadas:

  • Pampilhosa – Santa Comba Dão (34 quilómetros) e Construção da Concordância da Mealhada: ligação com 3,2 quilómetros, entre a Linha do Norte e a Linha da Beira Alta | Valor de adjudicação 75M€;
  • Santa Comba Dão – Mangualde (45 quilómetros) | Valor de adjudicação 57,6 milhões de euros;
  • Mangualde – Celorico da Beira (35 quilómetros) | Valor de adjudicação 68 milhões de euros;
  • Celorico da Beira – Guarda (46 quilómetros) | Valor de adjudicação 54 milhões de euros;
  • Cerdeira – Vilar Formoso (25 quilómetros | Valor de adjudicação 43 milhões de euros;
  • Concluída foi já a empreitada entre a Guarda e Cerdeira, com 14 quilómetros, com um investimento de 8,7 milhões de euros.

A estes montantes somam-se os valores relativos a projetos, fiscalização, sinalização, materiais, entre outros, prevendo-se um investimento global na ordem dos 500 milhões de euros.

A Ação 2015-PT-TM-0395-M – Linha da Beira Alta, Pampilhosa-Vilar Formoso: Projeto e Obra, foi aprovada ao abrigo do Programa CEF (Mecanismo Interligar a Europa) com uma taxa de cofinanciamento de 85%.

A modernização integral da Linha da Beira Alta, integrada no Corredor Internacional Norte, reveste-se de elevada importância na requalificação da Rede Ferroviária Nacional, disponibilizando às empresas e passageiros um transporte ferroviário mais eficiente nas ligações ferroviárias inter-regionais, bem como na ligação a Espanha e restante Europa“, concluiu a IP.

A empreitada irá permitir:

  • A melhoria das condições de mobilidade e acesso dos passageiros, através da remodelação das diversas Estações e Apeadeiros, incluindo o alteamento, alargamento e o prolongamento de plataformas;
  • A redução de tempos de percurso;
  • O reforço da segurança;
  • A dotação da infraestrutura ferroviária com os mais modernos equipamentos de controlo, sinalização e telecomunicações;
  • A requalificação e Supressão de todas as Passagens de Nível;
  • O aumento da capacidade (aumento em cerca de 20% do número de comboios a circular por ano e para mais do dobro da capacidade em número de toneladas/ano);
  • Maior sustentabilidade ambiental, com uma redução de emissões de mais de 120 milhões de tonCO2eq até 2046.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.