Carapito,  Concelho,  Mundo,  País,  Região

Dia Internacional sem Sacos de Plástico — as alternativas já os tornam completamente desnecessários

Comemorou-se ontem, dia 3 de Julho, o Dia Internacional sem Sacos de Plástico. Várias as associações ambientalistas e instituições deixaram apelos, fizeram campanhas e desenvolveram iniciativas para que se adoptem cada vais mais os materiais reutilizáveis no dia-a-dia. Não deveria ser necessário, mas ainda é, porque apesar de termos vindo a melhorar, podemos fazer muito mais e muito melhor.

Apesar de parecerem mais caras, há alternativas para todos os gostos e preços, que já tornam completamente desnecessário o uso de sacos de plástico. Sim, completamente desnecessário.

Mesmo que não pareça, nunca foi tão urgente assinalar este dia, porque a verdade é que, no geral, a situação está a piorar, não está a estabilizar e muito menos a melhorar. Claro que, para além do uso de sacos reutilizáveis, feitos de outros materiais que não o plástico, é importante usar cada vez mais a reciclagem, campo em que Portugal apresenta valores bastante maus.

Num momento em que à crise climática se juntou a pandemia de COVID-19 que, tudo indica, levará ainda a uma grande crise económica, é fundamental acelerar a transição para um modelo onde se valorizam mais os recursos, minimizando o seu consumo, reutilizando e fazendo o encaminhamento correcto dos resíduos.

Desde 2015, com a introdução de uma taxa por cada saco de plástico, tem havido uma forte mudança dos hábitos dos portugueses, o que levou à redução em cerca de 50% no consumo de sacos de plástico nos supermercados. Estes dados, para além de animadores, mostram, principalmente, que é possível chegar aos 100%.

Várias estimativas indicam que a cada minuto seja despejado no mar o equivalente a um camião cheio de lixo de plástico. Nesta quantidade de lixo podem encontrar-se objectos tão diversos como garrafas de água e refrigerantes, copos, garfos, facas, pratos, colheres de café, cotonetes, sacos dos mais diversos tipos, redes de pesca, beatas, esferovite e mais um sem-número de outros poluentes. Cerca de 80% destes materiais em plástico são o resultado do consumo de produtos em terra e, muitos, abandonados fora de qualquer contentor, nas praias, nos rios e na Natureza em geral, sendo depois transportados pelo vento até aos oceanos.

Relembro: segundo estimativas da ONU, a cada ano são lançados para os oceanos oito milhões de toneladas de plástico. Todos somos responsáveis por isso e a única opção que deve estar em cima da mesa é a mudança de paradigma. Agora, depois do que temos passado nos últimos meses, nunca estivemos tão bem posicionados para isso.

Usar sacos de plástico é completamente desnecessário. Procure alternativas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *