Cultura Popular é o tema das 7 Maravilhas em 2020

Candidaturas decorrem até 1 de Março. Uma candidatura pode incluir 7 patrimónios. Catarina Furtado e José Carlos Malato voltam a ser os embaixadores do projeto. Eliminatórias distritais, duas semifinais e uma Grande Final
a 5 de Setembro, a emitir na RTP1 e na RTP Internacional.

Depois da nossa História, da Natureza, da Gastronomia, das Praias, das Aldeias, da Mesa, e dos Doces… este ano vai ser privilegiado o Património Cultural Imaterial e eleger as 7 Maravilhas da Cultural Popular de Portugal. O tema de 2020 já tem candidaturas abertas, numa opção individual ou com 7 patrimónios.

As 7 Maravilhas da Cultura Popular foram lançadas na quinta-feira no Museu de Arte Popular em Lisboa. O projeto foi apresentado por Luís Segadães, presidente das 7 Maravilhas, e o formato televisivo por José Fragoso, Diretor da RTP1 e RTP Internacional. Catarina Furtado e José Carlos Malato, apresentadores da RTP, estiveram presentes enquanto embaixadores das eleições 7 Maravilhas.

“A grande aposta deste ano passa por promover o Património Cultural Imaterial de Portugal, elevando a nossa Cultura Popular a um patamar de causa pública e de atração turística”, explicou Luís Segadães, presidente das 7 Maravilhas. “Das muitas razões que explicam porque Portugal está hoje na moda, uma das mais marcantes é seguramente a sua base cultural e a importância da sua cultura popular”, continuou.

“Fruto do nosso desenvolvimento social e cultural, e ao contrário de muitos países, que se renderam às maravilhas da globalização, resultando na indiferenciação e quebra de autenticidade, Portugal afirma-se hoje pelos seus valores únicos e pela dimensão da sua multiculturalidade, onde a expressão da sua autenticidade se encontra em cada um de nós, em cada aldeia, vila ou cidade. É a manutenção e a afirmação inequívoca desta autenticidade, com manifestações em múltiplas categorias culturais, que queremos homenagear com a eleição das 7 Maravilhas da Cultura Popular”, acrescentou.

As categorias a concurso são: Artesanato; Lendas e Mitos; Festas e Feiras; Músicas e Danças; Rituais e Costumes; Procissões e Romarias e Artefactos.

As categorias do concurso permitem a organização e comparação de todos os Patrimónios, independentemente da sua natureza. O que interessa avaliar é o valor de cada manifestação cultural, enquanto afirmação distintiva do seu território.

As candidaturas terminam a 1 de março e são realizadas online, no site oficial das 7 Maravilhas.

Segundo José Fragoso, Diretor da RTP1 e RTP Internacional, “a RTP1 volta a associar-se às 7 Maravilhas para uma nova viagem televisiva pelo país, pela autenticidade das pessoas e pela inesgotável diversidade cultural de cada região. No ano passado, com a competição centrada nos Doces de Portugal, conseguimos uma mobilização nacional popular excecional; este ano, a ambição é repetir o envolvimento dos portugueses em volta de elementos centrais da nossa identidade coletiva. É uma operação anual da RTP1 que envolve meios humanos e técnicos consideráveis, justificada pela oportunidade e pela enorme importância de revelar eventos e tradições, descobrir narrativas ou divulgar atividades singulares que fazem a diferença, de norte a sul, do mar à fronteira, da Madeira aos Açores”.

A nona edição das 7 Maravilhas de Portugal volta a reinventar-se e este ano os candidatos são votados por cada um dos 18 distritos e duas regiões autónomas, com 20 programas de daytime em direto a realizar nos meses de julho e agosto. Haverá nesta fase 7 candidatos por distrito e regiões autónomas, num total de 140 patrimónios candidatos, sendo que em cada programa na RTP será apurado um pré-finalista que passa às semifinais. Haverá ainda um programa de repescagem. Os 20 segundos classificados nas eliminatórias regionais do concurso serão submetidos a uma nova votação, com o objetivo de apurar os 8 mais votados que se irão juntar aos já pré-finalistas.

Os 28 pré-finalistas são divididos por sorteio pelas duas semifinais, dois programas em directo na RTP1. Catarina Furtado e José Carlos Malato voltam a ser os anfitriões e embaixadores das 7 Maravilhas, apresentando as semifinais e a Gala (duas semifinais e uma Grande Final). Em cada semifinal são apurados os 7 patrimónios, os que tenham mais votos contabilizados.

Para José Carlos Malato, “as 7 Maravilhas são a forma mais autêntica de conhecer Portugal. As gentes, as histórias, a natureza, a gastronomia, os tesouros escondidos que devem ser conhecidos e vividos por todos. O maior evento televisivo promovido pela estação pública sobre a nossa cultura e o nosso país. E eu tenho o maior orgulho de fazer parte dele”.

Segundo Catarina Furtado, “desde a primeira vez que a RTP me convidou para fazer parte da iniciativa 7 Maravilhas que percebi que era muito mais do que um programa de televisão. Trata-se de uma promoção do melhor de Portugal em várias áreas, um aplauso para o país e os portugueses e um sucesso comprovado.”
A Gala Finalíssima decorre a 5 de Setembro de 2020 e será transmitida pela RTP1, em horário nobre. Dos 14 finalistas apurados vão ser eleitos 7 patrimónios como 7 Maravilhas da Cultura Popular.

A eleição das 7 Maravilhas da Cultura Popular é a nona edição realizada desde 2007, com concursos que têm por tema os grandes valores da Identidade Nacional:
7 Maravilhas de Portugal (Património Histórico), em 2007
7 Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo (Património Histórico), em 2009
7 Maravilhas Naturais de Portugal, em 2010
7 Maravilhas da Gastronomia, em 2011
7 Maravilhas – Praias de Portugal, em 2012
7 Maravilhas de Portugal – Aldeias, em 2017
7 Maravilhas à Mesa, em 2018
7 Maravilhas Doces de Portugal, em 2019

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se à discussão?
Sinta-se à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *